DESEJOS

1984 - CBS - LP (138.287)
1984 - CBS - K7 (16.257)
1987 - SONY/COLUMBIA - CD (850.027/2 - 464369)
Cordas (*)
Spala: Pareschi, Alves, Daltro, Vidal, Faini, Walter Hack, Perrota, Carlos Hack,
Lana, Bessler, Bernando Bessler, Francisco Perrota, Bordinhão, Virgílio, Luiz Carlos, Aizik
Violas: Stephany, Penteado, Macedo, Fidelis, Hindemburgo
Cellos: Marcio Malard, Yuri, Alceu, Zamith, Henrique

Produção e Mixagem: Mazola
Direção de Produção: Simone
Técnico de Gravação e Auxiliar de Mixagem: Ary Carvalhaes
Assistente de Gravação: Marcio Gama
Auxiliares de Gravação: Marcos e Julinho
Auxiliar de Produção: Antonio Foguete
Arregimentação: Gilson de Freitas
Gravado e Mixado nos Estúdios Polygram em jun/ jul - 1984
Criação e Produção da Capa: Ísis de Oliveira
Fotos: Antonio Guerreiro
Projeto Gráfico: Geraldo Alves Pinto
Chico Buarque gentilmente cedido pela Ariola
Neguinho da Beija-Flor gentilmente cedido pela Top Tape

Compartilhe esta página:
Lado A
De repente você revelou
Minha cor de rosa
Você pensa que tudo passou
Mas você não passa
Você me abraça
E eu sou carinhosa
Não vai ser fácil me deixar

Estou fora de mim, por aí,
Com você por dentro
Vou ao centro do que não se vê,
Mas se lê no vento
Nesse momento
Eu sou venenosa,
Você não vai me esquecer agora

Não pense mais
Foi a minha intuição
Nunca se desvenda
Um coração assim
Olhe pra mim
Sobram cinco palavras:
Um desejo só não basta

Arranjo de Base: Cristovão Bastos e Natan
Arranjo de Cordas e Regência: Cristovão Bastos
Piano Acústico/Yamaha DX-7: Cristovao Bastos
Baixo: Jorjão
Guitarra: Natan
Bateria: Picolé
Percussão: Peninha
Yamaha DX-7: Luiz Avellar
Cordas (*)

Pra gostar
Bom é o jeitinho brasileiro
Assim entre o sofrido e o catimbeiro
Feito Ary numa aquarela

Mentira há de ser sinceramente,
Topada também toca pra frente
Gostar, mas de qual delas

Viver
Viver com a pulga atrás da orelha
Quanto mais coçar, sorrir
Sambar, ô, ô, ô, ô,
Sambar
Com um prego no sapato pra peteca não cair
Viver, reviver
Ver na saudade uma vizinha  Ioiô no quintal!
Folga pro meu lado, mas canto a marchinha
De um antigo carnaval

Vizinha
Ioiô morena, irmã da loura Iaiá
O meu irmão noivou de Iaiá feliz
Mas viu na morena calor de pão, sumo de limão,
Frescor de buritis
E água de riacho rente aos pés,
Um zonzo de zumbido das abelhas, mel dos méis
Se Iaiá saía, Ioiô vizinha se despia, a flor do quintal
Meu irmão penava mas cantarolava
Pra manter sua moral

Lourinha, lourinha, dos olhos claros de cristal
Quanto tempo ao invés da moreninha
Serás a rainha do meu carnaval
Lourinha, morena, rainhas do meu carnaval
Qualquer dia, Iaiá e Ioiô vizinhas
Vão reinar juntinhas lá no meu quintal

Braguinha, Braguinha, Braguinha, não me leve a mal
Eu não esqueço a loura e a moreninha
Pago a tua parte em Direito Autoral

Arranjo e Regência: César Camargo Mariano
Piano Yamaha/Yamaha DX-7/Prophet 8/Korg: Cesar Camargo Mariano
Yamaha DX-7: Cristovão Bastos
Baixo: Jorjão
Guitarra: Natan
Bateria: Picolé
Repinique e Percussão: Peninha
Percussão: Cidinho, Canegal, Luna, Elizeu, Armando Marçal

Antes de saber bem onde estou
Já me apaixonei
Só depois vejo
As paredes e os lençóis
E a vida não lá fora
Mas em nós

Acordam os pensamentos e os casais
A minha sede busca loucamente
Os mais ricos e eternos mananciais
Rios e cascatas e abismos
E estórias e perfis
Que eu reconheço
Passam por mim

Eu me abandono feliz
E logo nos teus braços eu esqueço
De mim, de ti e de nós
E saciado de amor adormeço

Arranjo e Regência: Maurizio Fabrizio
Piano Acústico: Cristovão Bastos
Baixo:Jorjão
Gaita: Rildo Hora
Cello: Marcio Malard
Cordas (*)

Foi
O chefe mais amado da nação
Desde o sucesso da Revolução
Liderando os liberais
Foi
O pai dos mais humildes (e) brasileiros
Lutando contra grupos financeiros
E altos interesses internacionais
Deu
Início a um tempo de transformações
Guiado pelo anseio de justiça
E de liberdade social
E
Depois de compelido a se afastar
Voltou pelos braços do povo
Em campanha triunfal

Abram alas que Gegê vai passar
Olha a evolução da história
Abram alas pra Gegê desfilar
Na memória popular

Foi
O chefe mais amado da nação
A nós ele entregou seu coração
Que não largaremos mais
Não
Pois nossos corações hão de ser nossos
A terra, o nosso sangue, os nossos poços
O petróleo é nosso, os nossos carnavais
Sim,
Puniu os traidores com o perdão
E encheu de brios todo nosso povo
Povo que a ninguém será servil
E
Partindo nos deixou uma lição
A Pátria, afinal, ficar livre
Ou morrer pelo Brasil
Abram alas que Gegê vai passar
Olha a evolução da história
Abram alas pra Gegê desfilar
Na memória popular

Arranjo e Regência: Eduardo Souto Neto
Yamaha DX-7: Eduardo Souto Neto
Piano Yamaha: Cristovão Bastos
Baixo: Jorjão
Guitarra: Natan
Bateria: Picolé
Repique: Peninha
Percussão: Luna, Elizeu, Marçal, Armando Marçal, Wilson Canegal
Cordas (*)

Vão tocar todos os sinos e hinos que há
Repicar todos os tambores com as cores desse país
Vão se ouvir palmas e pés batidas do coração
Muitas fogueiras no chão no céu estrela e balão

Vão sair todos os blocos e ranchos que há
Vão brilhar todos os congos ao longo desse país
Vão se ouvir os afoxés o canto santo daqui
O povo simples daqui do Oiapoque ao Chuí

Rei do congado é rei encantado
Anda benza ê bambuê
Rei desejado é rei coroado
Anda benza ê bambuê

E aí não há mais como conter o que há
Nem negar que essa festa merece esse país
Se aqui todas as sés, todas as fés fazem crer
Se é assim que se vê e é assim que vai ser

Rei do congado é rei encantado
Anda benza ê bambuê
Rei desejado é rei coroado
Anda benza ê bambuê

Arranjo e Regência: César Camargo Mariano
Piano Acústico/ Prophet8/ Korg: Cesar Camargo Mariano
Yamaha DX-7: Cristovão Bastos
Baixo: Jorjão
Guitarra e Palmas: Natan
Bateria/Percussão e Palmas: Picolé
Percussão e Palmas: Peninha
Surdo: Gilson de Freitas
Palmas: Mazola
Palmas: Ari Carvalhaes

Lado B
Um dia
Meus olhos inda hão de ver
Na luz do olhar do amanhecer, 
Sorrir o dia de graça

Poesias
Brindando essa manhã feliz
Do mal cortado na raiz, 
Do jeito que o mestre sonhava

O não chorar (ai o não chorar)
e o não sofrer se alastrando
No céu da vida o amor brilhando
a paz reinando em santa paz

Em cada palma de mão,
Cada palmo de chão
sementes de felicidade
O fim de toda opressão,
O cantar com emoção,
Raiou a liberdade

Chegou
O áureo tempo de justiça
Há o esplendor  do preservar a natureza 
Respeito a todos os artistas

A porta aberta ao irmão 
De qualquer chão de qualquer raça
O povo todo em louvação
Por esse dia de graça

Arranjo de Base: Ivan Paulo
Cavaquinho: Alceu
Violão 7 Cordas: Rafael Rabello
Agradecimento Especial: Quinha (Presidente da Escola de Samba
da Portela), Marçal (Vice-Presidente da Escola de Samba da Portela)

Gravação Externa:
Arranjo e Regência de Bateria: Marçal
Surdo: Timbira, Rodinei, Célio, Sidinei, Carlos (Índio), Álvaro, Gordinho.
Caixa: Renato, Evilásio, Valter Baía, Dacopê, Julio
Cuíca: Eduardo, Inácio, Paulino, Carlos Silva
Tamborim: Raimundo, Coelho, Vanderlei, Gil, Catanha
Chocalho: Índio, Genézio, Bianô, Alcides, Roberto Damiano
Coro: Dinorah, Eurídice, Zenilda, Zélia, Marlene, Francinete, Maria Helena, Genaro, Stenio, Barbosa, Nô, Gordinho, Tufic, Copacabana, Neguinho da Beija-Flor
Repique: Fornalha, Valvoni, Dilner, Wilson, Marinho
Técnico de Gravação: Ary Carvalhaes
Supervisão Técnica: Luigi Hoffer
Assistentes: João Moreira/ Luiz Claudio
Auxiliares: Charles/ Manoel/ Julinho

Quando as carícias são incontroláveis
E os desejos insaciáveis
Ah! Você me oferece a boca 
E eu ressuscito
Me estende as mãos 
E eu levito
Me faz promessas e juras 
E eu acredito
Como se eu vivesse eternamente 
Na flor da idade
Como se eu tivesse pra sempre 
A inquietude, a ansiedade
Da juventude

Tudo, todas, tantas as loucuras por fazer
Quantas aventuras pela busca do prazer

Arranjo e Regência: Maurizio Fabrizio
Piano Acústico: Cristovão Bastos
Baixo: Jorjão
Guitarra: Natan
Bateria e Percussão: Picolé
Percussão: Peninha
Yamaha DX-7: Eduardo Souto Neto
Sax Alto: Macaé
Cordas (*)

Nenhum mistério irá secar
A fonte desse nosso desejo
Um raio de sol a felicidade
Quem apagará

Quem no espanto de traduzir
Desnuda a flor de tanta beleza
Ninguém vai cegar  a luz das estrelas
Nem sanha de ladrões

Agora é nossa hora de viver
De enfrentar a fúria dos leões
Plantar a esperança pra colher
A paz que move nossos corações

Nenhum bandido nos roubará
A chama renovada de um beijo
Um raio de sol, o céu radiante
Ninguém apagará

Quem no lampejo de refletir
Desvenda tão vibrante energia
Ninguém vai levar a nossa alegria
Ao fundo dos porões

Agora é nossa hora de viver
De enfrentar a fúria dos leões
Plantar a esperança pra colher
A paz que move nossos corações

Arranjo e Regência: Maurizio Fabrizio
Violão: Maurizio Fabrizio
Piano Acústico/ Yamaha DX-7/ Prophet 8/ Korg: Cristovão Bastos
Baixo: Jorjão
Guitarra: Natan
Bateria: Picolé
Percussão: Peninha
Cordas (*)

Esta canção
Não é mais que mais uma canção
Quem dera fosse uma declaração de amor
Romântica
Sem procurar a justa forma
Do que me vem de forma assim tão caudalosa
Te amo, te amo
Eternamente te amo

Se me faltares
Nem por isso eu morro
Se é pra morrer
Quero morrer contigo
Minha solidão
Se sente acompanhada
Por isso às vezes sei que necessito
Teu colo, teu colo
Eternamente teu colo

Quando te vi
Eu bem que estava certo
De que me sentiria descoberto
A minha pele
Vais despindo aos poucos
Me abres o peito quando me acumulas
De amores de amores
Eternamente de amores

Se alguma vez
Me sinto derrotado
Eu abro mão do sol de cada dia
Rezando o credo
Que tu me ensinaste
Olho teu rosto e digo à ventania
Iolanda, Iolanda
Eternamente Iolanda
Iolanda
Eternamente Iolanda
Eternamente Iolanda

Arranjo e Regência: Maurizio Fabrizio
Violão Nylon e Aço: Maurizio Fabrizio
Yamaha DX-7: Cristovão Bastos
Baixo: Jorjão
Bateria e Percussão: Picolé
Percussão: Peninha, Cidinho
Acordeon: Zé Américo
Oboé: Braz Limonge
Flauta: Celso Porta
Cordas (*)

Eu preciso de você
Porque tudo que pensei
Que pudesse desfrutar da vida,
Sem você, não sei

Meu amanhecer é lindo se você comigo está
Tudo é mais bonito no sorriso que você me dá

Eu não vivo sem você
Porque tudo que eu andei
Procurando pela vida, agora eu sei
Que andei sabendo que em algum lugar te encontraria
Pois você já era minha, e eu sabia

Como a abelha necessita de uma flor
Eu preciso de você e desse amor
Como a terra necessita o sol e a chuva, eu te preciso
E não vivo um só minuto sem você
Mas, eu preciso de você
Porque em toda minha vida
Nem por uma vez amei alguém assim
Você  é muito é tudo pra mim
E é por isso que eu preciso de você

Piano Acústico: Eduardo Souto Neto