EM BOA COMPANHIA

2010 – Biscoito Fino – CD (BF 106)
Idealizado por Simone
Roteiro Simone e José Possi Neto
Direção José Possi Neto
Cenário Jean Pierre Tortil
Coordenação Pedro Seiler
Iluminação Rogério Wiltgen
Produção Executiva Marília Aguiar
Direção Musical, Teclados e Acordeon Julinho Teixeira
Guitarras e Violões Walter Villaça
Baixo Fernando Souza
Bateria Carlos Bala
Percussão Sidinho Moreira
Técnicos de Som Aguinaldo Ramos e José Almeida
Assistente de Palco Reginaldo Ferreira
Cenotécnico Marcelo Coutinho
Maquiagem e Cabelo Rogério Lima
Fisio Eliza Santos
Figurino Simone Liz Machado
Transporte Equipamentos André Giovany e Chiquinho
Som e Luz Bizasom (Italo Santos, Rodrigo Nallin, Adilson Soares, Adilson Correia, Eduardo Bruno, Severo, Anderson Batist a, Klenilton)
Produção em Recife Nova Arte (Júlia e Túlia)
Supervisão Técnica do Teatro Guararapes Cláudio Costa
Realização Cigarra Produções Artísticas
Engenheiro de Gravação e Mixagem Gabriel Pinheiro
Assistentes Lucas Ariel, Gustavo Krebs e Henrique Vilhena
Masterização Ricardo Dias (Visom Digital)
Coordenação Carlos Andrade
Gerente de Estúdio Fernando Acar
Autoração Daniel Lins e Alessandro Pires
Direção Making Of Luis Fernando Goulart
Design Menu Aramis Barros Junior
Edição e Correção de Cor Paulo Vinícius Senise

Projeto Gráfico 6D
Fotos Deco Vieira
Assistente de Produção Marcela Maia
Assessoria de Imprensa Sidimir Sanches

Equipe Globo Nordeste:
Diretor Geral Arisio Coutinho Filho
Diretor de TV Francisco Lima
Coordenadora de Produção Izabel Carvalho
Assistentes de Produção Ana Barbosa,
Marcos Santos e Maurício Carvalho

Câmeras Fernando Skandura, Fernando Lobo, Geraldo Ricardo, Maxmiano da Silva, Ivson Lima do Couto, Paulo César Gomes de Abreu, Michael Donald da Silva e Eric Caldas Cervinskis
Captação de Áudio Fábrica Estúdio

Engenharia:
Sup Operacoes I Alvaro Allan e De Castro Paiva
Oper Sistemas TV Anderson Ricarte dos Santos
Tec Manutencao I Cibelle da Silva Maimone
Almoxarife Técnico Joao Jose Gonçalves Pereira
Oper Sistemas TV Jose Alberto da Silva Rodrigues
Aux Op Cam UPE Victor Jose Pereira Gomes
Aux Op Cam UPE Ademilson Augusto da Silva
Aux Op Cam UPE Driano Jose Dias
Aux Op Cam UPE Deivid Gomes Ferreira
Aux Op Cam UPE Everton Henrique Carvalho Florêncio
Aux Op Cam UPE Jeferson Fransciso da Silva Fagundes
Aux Op Cam UPE Jundy Leal Salgueiro
Aux Op Cam UPE Klauber Costa Estrela
Eletricista Gamaliel Perreira Costa Neto
Técnico Telecom Rivaldo Paiva

Uma realização Biscoito Fino
Direção Executiva Kati Almeida Braga
Direção Artística Olivia Hime
Coordenação de Produção Martinho Filho

"Tomo aqui a liberdade de me repetir mais uma vez e agradecer a todos que participaram deste trabalho, em que o amor é tudo: vivido, cantando, sentido e sabe-se lá mais o quê... Então, agradeço a todos, aos seus amores e ao meu amor. Kati, Martinho, Possi, Marilia, Nilson, Pedro, Sidimir, Melê, BB, Eras, Mbem, Lela, Jô, Bela, Carlos Fernando, Ni, Silvana, PCCB, Dad, Alexis, Silu, Cecê, Halbouti, Paulinho, Centelha e Guidão, Zé Luis e Regi, Bala, Totonho e Rosa, Beth, Lucia, Meg, Helena, Julia (Nova Arte), Gabriel e Lucas. A toda a minha equipe: Julinho, Waltinho, Bala, Fernando, Sidinho, Aguinaldo, Zé, Wiltgen, Marcelo, Reginaldo, Rogê e Elisa. Minha Babi Lulu Pirulita Princesa. A toda a minha família. A Bradesco Seguros e Previdência. A Biscoito Fino. Gulart, Carlão e ao pessoal da Visom. Ao André Brasileiro e Arísio Coutinho, diretor do DVD (Globo Nordeste). E aos meus poderosos fãs. Com um time desses, é impossível não estar Em boa Companhia.
Ô sorte meu DEUS!!"

www.simone.art.br / www.biscoitofino.com.br

Compartilhe esta página:
Vem cá de qualquer maneira
Balança minha roseira
Me bate de brincadeira
Me chama de traiçoeira

Me tranca na geladeira
Apaga minha fogueira
Promete qualquer besteira
Que eu fico toda faceira

Tortura essa brasileira
Me arranha com a pulseira
Me enforca na trepadeira
Pendura minha chuteira

Menino, mas que zoeira
Cadê meu advogado?

Tô que tô, eu tô que tô

Lá luz a la media boca
Besame mucho loca
Não, isso não
Me dá coceira
Vem cá minha compoteira
Balança essa pasmaceira
Me bate com a cabideira
Me chama de lavadeira

Não grita não dá bandeira
Periga marcar bobeira
Quebrei o pé da cadeira
Cuidado com a cristaleira

Segura, me deu gagueira
Eu juro que é verdadeira
Disfarça e chama a enfermeira
Tá dando uma tremedeira

Mamãe, viva o Zé Pereira
Cadê meu advogado?

Tô que tô, eu tô que tô
Quero que você me traga
Que você me trague
Quero que você me trombe
Que você me estrague

Quero que você me beije, baby
Que me beba e babe
Quero que você me pinte
Que me pegue e pague

Que você me cubra
Que você me cobre
Que você me cure
Que você me core
Que você me cace
Que você me coce

Quero que você me adote
Que você me adore
Quero que você me exploda
Que você me explore

Quero que você me cheire
Que você me chore
Quero que você me xingue
Que você me choque

Que você me livre
Que você me leve
Que você me lavre
Que você me lave
Que você me louve
Que você me love

Traga, trague, pegue, pague, xingue, explore
Cheire, chore, choque, livre, leve, love
Pra você não dizer algum dia, meu bem
Que eu não avisei
Certas noites eu sou só do samba, eu sou da orgia
Nessas noites você não me encontra, meu bem
Nem dentro da lei
Às vezes eu vou deixar a razão pela folia

E vazar
E desaparecer
E sequer olhar pra trás
E desaparecer
Me perder, me adiantar
E desaparecer
E deixar o samba me levar

Não me venha dizer algum dia, meu bem
Que eu te enganei
Certas noites eu sou só do samba, eu sou da orgia
Nessas noites você não me encontra, meu bem
Nem dentro da lei
Às vezes eu vou deixar a razão por poesia

E ralar
E desaparecer
E sequer olhar pra trás
E desaparecer
Me perder, me adiantar
E desaparecer
E deixar o samba me pegar

E rapar
E desaparecer
E sequer olhar pra trás
E desaparecer
E perder o celular
E desaparecer
E deixar o samba me levar

E vazar
E desaparecer
E sequer olhar pra trás
E desaparecer
Me perder, me adiantar
E desaparecer
E deixar o samba me levar

São as trapaças da sorte,
São as graças da paixão
Pra se combinar comigo
Tem que ter opinião

São as desgraças da sorte,
São as traças da paixão
Quem quiser casar comigo
Tem que ter bom coração

Morena quando repenso
No nosso sonho fagueiro
O céu estava tão denso,
Inverno tão passageiro
Uma certeza me nasce,
E abole todo o meu zelo
Quando me vi face a face
Fitava o meu pesadelo
Estava cego o apelo
Estava solto o impasse
Sofrendo nosso desvelo
Perdendo no desenlace
No rolo feito um novelo
Até o fim do degelo
Até que a morte me abrace

São as desgraças da sorte,
São as traças da paixão
Quem quiser casar comigo
Tem que ter bom coração

São as trapaças da sorte,
São as graças da paixão
Pra se combinar comigo
Tem que ter opinião

Morena quando relembro
Aquele céu escarlate
Mal começava dezembro,
Já ia longe o combate
Uma lambada me bole,
Uma certeza me abate
A dor querendo que eu morra,
O amor querendo que eu mate
Estava solta a cachorra
Que mete o dente e não late
No meio d’aquela zorra,
Perdendo no desempate
Girando feito piorra,
Até que a mágoa escorra
Até que a raiva desate

Lá vem a baiana
de saia rodada, sandália bordada
vem me convidar para dançar
mas eu não vou

lá vem a baiana
coberta de contas, pisando nas pontas
achando que eu sou o seu iôiô
mas eu não vou

lá vem a baiana
mostrando os encantos, falando dos santos
dizendo que é filha do Senhor do Bonfim
mas, pra cima de mim?!

pode jogar seu quebranto que eu não vou
pode invocar o seu santo que eu não vou
pode esperar sentada, baiana, que eu não vou

não vou porque não posso resistir à tentação
se ela sambar, eu vou sofrer
esse diabo sambando é mais mulher
e se eu deixar ela faz o que bem quer

não vou, não vou, não vou
nem amarrado porque eu sei
hum hum hum hum hum hum...
Eu vim trazer
Só sentimentos
Que façam você ficar bem e feliz

Não que eu não tenha sabido
Dos seus brilhos e vinhos e tal
Mas me faltava poder conviver
E obter uma prova cabal

Desse carisma
Que apaixona
Até os mais desinteressados
Dos mortais

Fico a imaginar
O seu rosto, seu gosto ao ver
O que há muito eu queria mandar
Pra você

Às vezes a timidez atrapalha
E ficamos a ver navios em vão

Mil sensações
Mil atrativos
Me fazem querer viajar
Nessa luz

Sinto a onda bater
Mergulho bem fundo no mar
E pesco palavras do bem
Pra você

Meu mundo você é quem faz
Música letra e dança
Tudo em você é fullgás
Tudo você é quem lança
Lança mais e mais

Só vou te contar um segredo
Não nada, nada de mal nos alcança
Pois tendo em você meu brinquedo
Nada machuca nem cansa

Então venha me dizer o que será
Da minha vida sem você
Noites de frio, dia não há
E um mundo estranho pra me segurar

Então onde quer que você vá, é lá
Que eu vou estar
Amor esperto, tão bom te amar

E tudo de lindo que eu faço
Vem com você, vem feliz
Você me abre seus braços
E a gente faz um país

Você me abre seus braços
E a gente faz um país
Hóstia
Tão divina
Que eu quero degustar
Me lava e me incendeia
Como o tesão do mar

Nada
No céu da minha boca
Deságua no meu lar
E se possível pra ficar

Nas dunas do seu corpo
Onde eu quero passear
Apagar a trilha
Me perder pra não voltar

Me acha
Pouco a pouco
Me adota e então me diz
Se nessa praia
Eu posso ser feliz

Se paixão é isso
Seja como for
Dessa tempestade
Eu quero pingos de amor

Não existiria som
se não houvesse o silêncio
não haveria luz
se não fosse a escuridão
a vida é mesmo assim,
dia e noite, não e sim...

Cada voz que canta o amor não diz
tudo o que quer dizer,
tudo o que cala fala
mais alto ao coração
Silenciosamente eu te falo com paixão...

Eu te amo calado,
como quem ouve uma sinfonia
de silêncios e de luz.
Nós somos medo e desejo,
somos feitos de silêncio e som,
tem certas coisas que eu não sei dizer...

A vida é mesmo assim,
dia e noite, não e sim...
Você com essa mania sensual
De sentir e me olhar
Você com esse seu jeito contagiante
Fiel e sutil de lutar

Não sei não
Assim você acaba me conquistando
Não sei não
Assim eu acabo me entregando

Hoje está fazendo um ano e meio amor
Que eu estive por aqui
Desconfiado, sem jeito e quase calado
Quando fui bem recebido e desejado por você
Nunca como eu poderia esquecer amor
Ai, ai, ai!
Se naquele dia você foi tudo foi demais pra mim
Ai, ai, ai!
Se naquele dia você foi tudo fez de mim um anjo

Não sei não
Assim você acaba me conquistando
Não sei não
Assim eu acabo me entregando

Ive! Ive! Ive!
Brussel! Brussel!
Brussel! Brussel!
Brussel!
Ive! Brussel! Ive! Brussel!
Brussel! Brussel!
Bru bru bru
bru bru bru Brussel
eu quero Ive
Brussel Brussel

Como defini-la
Quando está vestida
Se ela me desbunda
Como se despida?

Como defini-la
Quando está desnuda
Se ela é viagem
Como toda nuvem?

Como desnudá-la
Quando está vestida
Se está mais despida
Do que quando nua?

Como possuí-la
Quando está desnuda
Se ela toda é chuva?
Se ela toda é vulva?

Mamãe não quer, não faça
Papai diz não, não fale
Vovó ralhou, se cale
Vovô gritou, não ande

Placas de rua, não corra
Placas no verde, não pise
No luminoso, não fume
Olha o hospital, silêncio

Sinal vermelho, não siga
Setas de mão, não vire
Vá sempre em frente, nem pense
É contramão

Olha cama de gato
Olha a garra dele
Cama de gato
Melhor se cuidar

No campo do adversário
É bom jogar com muita calma
Procurando pela brecha
Pra poder ganhar

Acalma a bola, rola a bola
Trata a bola, limpa a bola
Que é preciso faturar

E esse jogo tá um osso
É um angu que tem caroço
É preciso desembolar

E se por baixo não tá dando
É melhor tentar por cima
Ui, com a cabeça dá

Você me diz que esse goleiro
É titular da seleção
Só vou saber, mas é quando eu chutar

Matilda, Matilda
No campo do adversário
É bom jogar com muita calma
Procurando pela brecha
Pra poder ganhar

Não existiria som
se não houvesse o silêncio
não haveria luz
se não fosse a escuridão
a vida é mesmo assim,
dia e noite, não e sim...

Cada voz que canta o amor não diz
tudo o que quer dizer,
tudo o que cala fala
mais alto ao coração
Silenciosamente eu te falo com paixão...

Eu te amo calado,
como quem ouve uma sinfonia
de silêncios e de luz.
Nós somos medo e desejo,
somos feitos de silêncio e som,
tem certas coisas que eu não sei dizer...

A vida é mesmo assim,
dia e noite, não e sim...

Eu te amo calado,
como quem ouve uma sinfonia
de silêncios e de luz,
nós somos medo e desejo,
somos feitos de silêncio e som,
tem certas coisas que eu não sei dizer...
Ame
Seja como for
Sem medo de sofrer
Pintou desilusão
Não tenha medo não
O tempo poderá lhe dizer

Que tudo
Traz alguma dor
E o bem de revelar
Que tal felicidade
Sempre tão fugaz
A gente tem que conquistar

Por que se negar?
Com tanto querer?
Por que não se dar,
Por quê?
Por que recusar,
A luz em você
Deixar pra depois,
Chorar... Pra quê?

Talvez eu te proponha a coisa certa
No caso a questão é se tentar
Mas sempre que eu deixei a porta aberta
Você veio correndo pra fechar

E eu fico sem vergonha me arrastando
E sem ter por que
As vezes que te penso não são poucas
E as noites que não durmo são bastantes
As vezes que recordo são constantes
E as vezes que não volto sofro mais

Você me amedronta e me apavora
Não sei por que
Me deixa ocupar a tua insônia
Me deixa devastar teus pensamentos
Me deixa percorrer teus sentimentos
Até me exaustar

Talvez eu te proponha a coisa incerta
Mas sempre vale a pena se tentar

Quero ir na fonte do teu ser
E banhar-me na tua pureza
Guardar em pote gotas de felicidade
Matar saudade que ainda existe em mim

Afagar teus cabelos molhados
Pelo orvalho que a natureza rega
Com a sutileza que lhe fez a perfeição
Deixando a certeza de amor no coração

Deixa eu te amar
Faz de conta que sou o primeiro
Na beleza desse teu olhar
Eu quero estar o tempo inteiro

Quero saciar a minha sede
No desejo da paixão que me alucina
Vou me embrenhar nessa mata só porque
Existe uma cascata que tem água cristalina

Aí então vou te amar com sede
Na relva, na rede, onde você quiser
Quero te pegar no colo
Te deitar no solo e te fazer mulher

Deixa eu te amar
Faz de conta que sou o primeiro
Na beleza desse teu olhar
Eu quero estar o tempo inteiro

Amo tua voz e tua cor
E teu jeito de fazer amor
Revirando os olhos e o tapete
Suspirando em falsete
Coisas que eu nem sei contar
Ser feliz é tudo que se quer
Ah! Esse maldito fecho eclair
De repente a gente rasga a roupa
E uma febre muito louca
Faz o corpo arrepiar

Depois do terceiro ou quarto copo
Tudo que vier eu topo
Tudo que vier, vem bem
Quando bebo perco o juízo
Não me responsabilizo
Nem por mim, nem por ninguém

Não quero ficar na tua vida
Como uma paixão mal resolvida
Dessas que a gente tem ciúme
E se encharca de perfume
Faz que tenta se matar
Vou ficar até o fim do dia
Decorando tua geografia
E essa aventura em carne e osso
Deixa marcas no pescoço
Faz a gente levitar

Tens um não sei que de paraíso
E o corpo mais preciso
Que o mais lindo dos mortais
Tens uma beleza infinita
E a boca mais bonita
Que a minha já tocou

Quem não percebeu
A dor do meu silêncio
Não conhece
O coração de uma mulher

Eu não quero mais ser
Da sua vida
Nem um pouco do muito
De um prazer ao seu dispor

Quero ser feliz
Não quero migalhas
Do seu amor
Do seu amor...

Quem começa
Um caminho pelo fim
Perde a glória
Do aplauso na chegada

Como pode
Alguém querer cuidar de mim
Se de afeto
Esse alguém não entende nada

Não foi esse o mundo
Que você me prometeu
Que mundo tão sem graça
Mais confuso do que o meu

Não adianta nem tentar
Maquiar antigas falhas
Se todo o amor
Que você tem pra me oferecer
São migalhas, migalhas...

Olha meu bem
Quando você me encontrar andando sozinho
Nada além
De uma pessoa feliz que conhece o seu caminho

Eu sei de cor
As palavras daquele velho ditado
Antes só
Mas bem que eu queria você aqui ao meu lado

Ainda agora eu ia ali
Ia pensando em você, pensando em você
Nesse seu jeito de dizer as coisas, todas as coisas
Pagando pra ver

Se a juventude dessa brisa que sopra da sua boca
Soprasse pra mim
Você sorri e é mesmo assim como quem troca de roupa
Quem dera o seu sim

Mas tudo bem
Eu não nasci pra ser escravo do ciúme
Mas sei também
Que a sua flor tem mais espinho que perfume

Tudo em paz
Eu quero o sol dourando a sua cabeleira
E quero mais
A emoção de te ter por uma noite inteira

Eu sei que eu sou bonita e gostosa
E sei que você me olha e me quer
Eu sou uma fera de pele macia
Cuidado, garoto, eu sou perigosa

Eu tenho um veneno no doce da boca
Eu tenho um demônio guardado no peito
Eu tenho uma faca no brilho dos olhos
Eu tenho uma louca dentro de mim

Eu sei que eu sou bonita e gostosa
E sei que você me olha e me quer
Eu sou uma fera de pele macia
Cuidado, garoto, eu sou perigosa

Eu posso te dar um pouco de fogo
Eu posso prender você meu escravo
Eu faço você feliz e sem medo
Eu fazer você ficar louco
Muito louco,
Muito louco, muito louco

Dentro de mim

Nosso amor é uma vereda 
Onde a lua se derrama 
Somos lenha e labareda 
Uma paixão em plena chama 

Sei que a vida tá brabeira
Tanto amor na corda bamba
Que a alegria é passageira
Frágil como porcelana 

É... às vezes tudo é lindo 
Às vezes tudo engana...mas 
Basta um beijo teu e eu ...
Ai, ai, ai, ai, ai 

Pudera! 
Você é o grande amor da minha vida
Baile, festa e domingueira 
Saca a banda, vem, me chama 
Pr´essa salsa brasileira 
Meio Rio, meio Havana 

Dança, roda e serpenteia 
Ou me leva então pra cama 
Ao som de Guantanamera 
Noches de Copacabana 

É... às vezes tudo é lindo 
Às vezes tudo engana... mas 
Basta um beijo teu e eu ...
Ai, ai, ai, ai, ai

Eu quero você na minha veia
Porque você é meu sangue
Desejo você sem engodo
Ser o vegetal do seu lodo
E você a flor do meu mangue Você é uma lua cheia
Que lá no meu céu descamba
Porém não é só minha musa
Na minha cabeça confusa
Você é o meu próprio samba

Riqueza da minha rima
O verso da poesia
Gostosa gastronomia
A minha ideologia
E de olorum obra prima

Meu Deus, como eu quero você!

Não se esqueça de mim
Não se perca de mim
Não desapareça A chuva tá caindo
E quando a chuva começa
Eu acabo de perder a cabeça

Não saia do meu lado
(Segure) Se grude em meu pierrot molhado
E vamos embolar ladeira abaixo
Acho que a chuva ajuda a gente a se ver
Venha, veja, deixa, beija
Seja o que Deus quiser

Você me tem fácil demais
mas não parece capaz
de cuidar do que possui

Você sorriu e me propôs
que eu te deixasse em paz
me disse vá, eu não fui

Não faça assim
não faça nada por mim
não vá pensando que eu sou seu

Não faça assim
não faça nada por mim
não vá pensando que eu sou seu

Você me diz o que fazer
mas não parece entender
que eu faço só pra te agradar

Me diz até o que vestir
com quem andar e aonde ir
mas não me pede pra voltar

Não faça assim
não faça nada por mim
não vá pensando que eu sou seu

Não faça assim
não faça nada por mim
não vá pensando que eu sou seu
Ex-amor
Gostaria que tu soubesses
O quanto que eu sofri
Ao ter que me afastar de ti

Não chorei
Como louca até sorri
Mas no fundo só eu sei
Das angústias que senti

Sempre sonhamos
Com o mais eterno amor
Infelizmente
Eu lamento mas não deu

Nos desgastamos
Transformando tudo em dor
Mas mesmo assim
Eu acredito que valeu

Quando a saudade
Bate forte é envolvente
Eu me possuo
E é na sua intenção

Com a minha cuca
Naqueles momentos quentes
Em que se acelerava
O meu coração